REVISTALEPH REVISTA ALEPH PROJETOS E EXPERIÊNCIAS INSTITUINTES EDUCAÇÃO ENSINO FORMAÇÃO DE PROFESSORES

Histórico do periódico

A RevistAleph foi uma iniciativa do Aleph: Programa de Pesquisa, Aprendizagem-Ensinagem e Extensão/UFF. 

Hoje nosso trabalho resulta da ação compartilhada e solidária entre professores de diferentes universidades. 

Inicialmente financiada pelo CNPq. Atualmente temos financiamento de bolsistas que contribuem com as atividades. 

Estamos no ar há mais de 10 anos com a mesma vontade política com a qual iniciamos nossas atividades. Não abrimos mão de navegar na contramão das euforias do sucesso rápido. Temos optado por uma artesania que amplia os diálogos com os pesquisadores, pareceristas e conselho científico. Esta arte de tecer o conhecimento tem nos levado a viajar na contracorrente da apatia ou da busca de portos seguros que nos limita a visão das passagens, dos caminhos plurais e das potencias que transbordam fronteiras ditas, por alguns, como intransponíveis. Em nosso deslocamento temos procurado nos ligar aos desafios de experiências e projetos político-pedagógicos com desejos de reinvenção dos processos educativos, dentro e fora da escola, que envolvem os ambientes, os discursos, as artes, as tecnologias, as ciências, as comunicações, as políticas e, portanto, nossas próprias existências e a estética que nos faz humanos. Enfim, a vida em todos os seus quadrantes.

Nosso principal foco está em divulgar artigos que dialoguem com as experiências instituintes. Célia Linhares nos ajuda a compreender o que vem a ser uma experiência instituinte (http://www.uff.br/revistaleph/N10/index.htm). Ela nos pergunta:

Como definir o conceito de “experiência instituinte”? Esta reflexão nos leva ao encontro das contribuições de Walter Benjamin (1993) que apontam para o sentido das “experiências plenas”, que se traduzem por uma tessitura coletiva e pela possibilidade de abertura polifônica. A experiência instituinte se afirma como uma experiência comum, partilhada por um grupo, contrapondo-se desta forma a experiência pontual e fragmentada do sujeito isolado de seus pares. É uma experiência aberta, não se afirma como “símbolo”, com um significado unilateral, mas como “alegoria” por seus múltiplos sentidos e leituras. Podemos ainda articular este conceito ao sentido de “origem* em Benjamin, pois o instituinte. na perspectiva de nossa pesquisa, não se confunde com o “novo”, mas sim ê uma busca constante do movimento emancipador, movimento este que articula passado, presente e futuro. Contrapondo-se ao modismo e a uma reprodução estática do passado, a experiência instituinte sinaliza a densidade da experiência humana ao rememorar, recuperando, assim, o sentido de uma memória viva, pulsante onde o olhar para o passado potencializa o presente e nos ajuda na construção dos projetos de futuro, pois que é ancorada em uma memória que é capaz de prometer.